Revista Manutenção

Transição digital na construção de quadros elétricos

Transição digital na construção de quadros elétricos

As sinergias entre Rittal e Eplan já não são uma novidade, daqui resultam mais-valias significativas em todo o processo de concessão do quadro elétrico, quer nas fases de engenharia, logística, produção, à instalação do mesmo.

Sob o tema “O Futuro é com Rittal e Eplan: Transição digital na construção de quadros elétricos”, organizaram dois eventos durante o mês de março, um em Lisboa e outro em Aveiro, cujo objetivo principal foi o de informar as empresas do setor sob as mais recentes ferramentas que os possam ajudar
no caminho da digitalização e assim melhorarem os seus processos tornando-os mais eficientes, com menores custos, mais competitivos internacionalmente e mais sustentáveis. Cláudio Maia e David Santos começaram por apresentar as duas empresas organizadoras do evento: o Friedhelm Loh Group – de que fazem parte Rittal e Eplan – nasceu em 1961 e está presente nos 5 continentes, com subsidiárias em mais de 70 países.

Cadeia de valor integrada: Rittal e Eplan

Para estes dois especialistas, o casamento entre Rittal e Eplan é perfeito, pois, com as soluções de engenharia de software elétrico da Eplan e a experiência e soluções de energia e automação da Rittal, oferecem às empresas a oportunidade de otimizar e industrializar todos os seus processos de construção de quadros elétricos. Na base de tudo isto está o gémeo digital que utiliza dados integrados para conetar todo o processo da cadeia de valor, desde a engenharia ao serviço. Desta forma os tempos de processamento são mais curtos, havendo uma maior produtividade e uma redução de erros de forma significativa.

O processo produtivo do quadro elétrico inicia-se na fase de projeto, permitindo ao quadrista uma maior produtividade com a digitalização e protótipo virtual do quadro elétrico. Com a informação toda detalhada do projeto, os processos logísticos ficam facilitados no que diz respeito ao processamento de encomendas de material standard ou customizado. A produção é a fase que se segue com uma melhoria
significativa através da automatização de todos os processos, o que se traduz numa redução de custos para o quadrista ou instalador. Finalizando o ciclo, as soluções digitais são fundamentais para a garantia de sucesso e fiabilidade na fase de comissionamento, monitorização e manutenção.

por Helena Paulino

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº156/157. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »