Revista Manutenção

Metrologia e manutenção: enquadramento

Metrologia e manutenção: enquadramento

Neste artigo é feito um breve enquadramento da metrologia a nível nacional e internacional, diferenciada a metrologia legal da metrologia aplicada, definidos termos e interpretadas caraterísticas dos equipamentos de medição que devem ser conhecidas e estar devidamente assimiladas pelos responsáveis e técnicos que desenvolvem as suas atividades no âmbito da manutenção em qualquer área ou ramo de atividade. As referências disponibilizadas permitem ao leitor adquirir e aprofundar conhecimentos sobre tópicos que sejam do seu interesse. Em próximos artigos serão apresentadas e exemplificadas técnicas (ferramentas) que permitem controlar (e/ou avaliar) o desempenho de equipamentos (sistemas) de medição, para além de linhas de orientação sobre como estes devem ser geridos, incluindo a interpretação de certificados de calibração.

Introdução

A Manutenção é uma função organizacional que influencia direta e significativamente o desempenho de qualquer organização, independentemente da área e ramo de atividade em que opere. Efetivamente, a sustentabilidade e competitividades das organizações (empresas), traduzidas, por exemplo, na melhoria da qualidade dos produtos e dos serviços, na redução dos prazos e custos de fabrico, no aumento da produtividade, na segurança dos colaboradores e na diminuição do impacte ambiental, dependem da forma como a Manutenção é gerida. Por consequência, a gestão da manutenção tem de ser eficiente e não apenas eficaz [1], independentemente de se recorrer a recursos internos e/ou subcontratados. Em qualquer dos casos, ainda que as decisões de manutenção já não se limitem a considerações técnicas e operacionais desintegradas com as das outras funções organizacionais, é imprescindível que seja assegurado o necessário rigor, fiabilidade (confiança) e exatidão nas medições efetuadas com os equipamentos (instrumentos, dispositivos, aparelhos, software, medidas materializadas, ou combinações destes) utilizados nas empresas, incluindo os que são utilizados nas atividades de manutenção. Isto é mais evidente e compreensível no setor da saúde, onde são realizadas atividades e tomadas decisões clínicas ou laboratoriais com base no resultado de medições feitas com equipamentos de medição, mas não se limita a este setor de atividade. Porém, existem evidências na literatura da necessidade de uma maior “cultura metrológica” por parte dos responsáveis pela seleção, colocação em serviço e acompanhamento dos equipamentos de medição, o que sugere ou recomenda revisitar e clarificar conceitos relacionados com as variáveis e caraterísticas dos equipamentos que influenciam o resultado da medição, o que constitui o propósito deste artigo.

Controlo Metrológico Legal

Na prestação de serviços, na produção e na transação/comércio de bens, tal como em muitas atividades da vida diária das pessoas, é feito um uso tão frequente do resultado de medições que a sua validade, em geral, não é questionada. A nível nacional e internacional está estabelecido que os equipamentos de medição utilizados nas transações/comércio, na proteção do ambiente, na segurança e saúde das pessoas devem ser sujeitos a um controlo legal. As operações legais a que os instrumentos de medição são submetidos, por exemplo, a aprovação de modelo e a verificação, estão enquadradas no que se denomina por Controlo Metrológico Legal. De acordo com o Vocabulário Internacional de Metrologia Legal, o Controlo Metrológico Legal inclui o controlo legal dos instrumentos de medição (a execução do conjunto de operações legais a que os instrumentos de medição devem ser submetidos), a vigilância metrológica (atividade de verificação do cumprimento das leis e dos regulamentos metrológicos), bem como a análise e o estabelecimento do estado de um instrumento de medição e a determinação das respetivas características metrológicas, nomeadamente as relativas aos requisitos metrológicos que sejam aplicáveis ao equipamento em questão.

Em Portugal, este tipo de controlo obedece, em geral, ao regime constante do Decreto-Lei n.º 291/90, às disposições regulamentares gerais constantes do Regulamento Geral do Controlo Metrológico aprovado pela Portaria n.º 962/90, e ainda às disposições constantes nas portarias específicas para os diversos equipamentos de medição. Para além da documentação disponível relativa às 39 categorias de equipamentos de medição que estão sujeitas ao controlo metrológico legal, das quais o Instituto Português da Qualidade (IPQ) assegura o controlo de 3 categorias (1- Alcoolímetros; 2- Cinemómetros; 3- Medidas materializadas de comprimento e sondas), o controlo das restantes categorias é assegurado por entidades qualificadas, nomeadamente Organismos de Verificação Metrológica, Serviços Municipais de Metrologia, Serviços Concelhios de Metrologia, Instaladores e Reparadores. No que respeita aos denominados dispositivos médicos, pelas particularidades de que se reveste, sugere-se a leitura da informação e documentação disponível no website do INFARMED.

Nuno R. Costa
Departamento de Engenharia Mecânica, Instituto Politécnico de Setúbal-ESTSetubal
nuno.costa@estsetubal.ips.pt

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº148. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »