Revista Manutenção

O papel dos ultrassons na gestão de ativos e manutenção preditiva

O papel dos ultrassons na gestão de ativos e manutenção preditiva

Este artigo fornecerá uma visão geral da tecnologia e como esta pode melhorar a manutenção preditiva, confiabilidade dos ativos e contribuir para a conservação de energia.

Os departamentos de manutenção, hoje em dia, são continuamente solicitados para fazer mais. Infelizmente, na maioria dos casos, é-lhes pedido que façam mais com menos. É por isso que é fundamental que os profissionais de manutenção e confiabilidade tenham as ferramentas adequadas para auxiliar na tomada de melhores decisões sobre a integridade dos ativos. Afinal, a manutenção tem
tudo a ver com obter o máximo de vida útil de um ativo da maneira mais eficiente possível. O uso da tecnologia de ultrassons é um ótimo ponto de partida. Este artigo fornecerá uma visão geral da tecnologia e como esta pode melhorar a manutenção preditiva, confiabilidade dos ativos e contribuir para a conservação de energia.

Nos primeiros tempos da tecnologia de inspeção por ultrassons, a maioria dos utilizadores simplesmente mantinha o instrumento por perto quando precisava de algo para detetar fugas. Os primeiros instrumentos eram simples ferramentas analógicas, usados para aplicações de “busca e localização”, como a deteção de fugas. Com o avanço na instrumentação e software, surgiram mais utilizadores da tecnologia e novas aplicações foram descobertas. Os ultrassons são, agora, a ferramenta complementar perfeita para outras tecnologias de manutenção preditiva, como a análise de vibrações e termografia. Há também um aumento no número de indivíduos que usam a inspeção por ultrassons como a primeira linha de defesa para prever falhas em ativos como rolamentos e para efetuar inspeções em equipamentos elétricos. Simplificando, os instrumentos são dispositivos de escuta. Estes detetam sons que não podem ser ouvidos pela audição humana normal. A audição humana média detecta sons na faixa de 16 a 17 kHz. Os instrumentos de inspeção por ultrassons ouvem e detectam sons na faixa de 20 kHz e acima.

As ondas ultrassónicas são ondas de alta frequência e baixa energia, que são recebidas pelo instrumento. Os instrumentos então alteram ou “heterodinam” a onda sonora de alta frequência em som de baixa frequência, audível pelo utilizador através dos auscultadores ligados ao instrumento. Como as ondas ultrassónicas são de alta frequência e baixa energia, as fontes de ultrassom podem ser facilmente localizadas, mesmo no meio de todo o ruído ambiente numa instalação industrial típica.

Os avanços que foram feitos na instrumentação de ultrasons são bastante significativos. Um bom exemplo do quão longe os instrumentos chegaram é o modelo mais recente da UE Systems, o Ultraprobe 15.000. O instrumento tem touchscreen, análise espectral integrada, gravação de som, câmera digital e termómetro para medição de temperatura. O software de gestão de dados disponível é usado para criar rotas de inspeção e registar leituras para analisar tendências. Relatórios detalhados podem ser criados através do software, como um relatório de fugas de ar/gás comprimido, que mostrará as poupanças potenciais de energia. Também está disponível um software de análise espectral, que permite ao inspetor reproduzir e analisar ficheiros de som que foram gravados diretamente no instrumento.

Por UE Systems

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº153. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »