Revista Manutenção

Breve introdução à manutenção autónoma

Breve introdução à manutenção autónoma

Em inícios da década de 1970, é introduzida, no Japão, a Manutenção Produtiva Total, normalmente abreviada pela sigla TPM, do inglês Total Productive Maintenance. Esta filosofia, visando a eliminação de todas as perdas, através da combinação harmoniosa de um conjunto de técnicas, tem assegurado, na esteira do grupo Toyota, interessantes resultados no tocante à otimização da eficiência dos equipamentos das organizações onde vem sendo implantada.

Serve o introito para dar contexto ao tema que, em traços largos, é tratado neste artigo – a ‘manutenção autónoma’, um dos pilares básicos deste conceito de manutenção, porventura o traço mais distintivo do TPM. Segundo Cabral [1], “cultivando ativamente manutenção de melhoria, faz deslocar-se o centro de gravidade da manutenção preventiva um pouco mais para o lado dos operadores”. Trata-se de uma interessante imagem para o conceito que subjaz a esta técnica.

Dantes, a participação da função manutenção na resolução de questões simples do dia-a-dia era entendida como natural, ao passo que nos dias que correm, por força da manutenção autónoma se ter popularizado, o paradigma é diametralmente diferente. Com efeito, beneficiando da experiência e conhecimento que o operador tem do equipamento, esta técnica fá-lo envolver-se nos cuidados básicos de manutenção – atividades de primeiro nível e pequenas reparações –, delegando-lhe tarefas simples, porém com um enorme impacto na prevenção de avarias, nomeadamente: limpezas; inspeções; lubrificações; medição de pressões; controlo de níveis de fluidos.

Podendo perpassar a ideia de que a tarefa de inspecionar os parafusos de uma máquina constitui uma atividade de manutenção pouco ambiciosa, esta encerra, por contraste, um enorme ganho quanto à prevenção de futuras anomalias – disso são exemplos desgastes, vibrações e fugas.

Estará fácil de ver que, desta forma, a função manutenção é aliviada da habitual carga excessiva, consequência da resolução de questões de, permita o leitor, lana-caprina, facilmente antecipáveis (ou sanáveis) pela operação, para lá de que restará mais tempo para estudar a adoção de procedimentos com vista à redução da ocorrência de avarias.

João Nunes Marques
Navaltik Management, Lda

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº154/155. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

M154 155 manutencao autonoma

Outros artigos relacionados

Translate »