Revista Manutenção

normalizacao gestao ativos

A gestão de ativos e o papel da normalização em Portugal

Introdução

Ao longo dos anos, e especialmente com o advento da industrialização das sociedades e da maior complexidade dos ativos criados pelo homem, foram surgindo várias disciplinas para assegurar que os ativos geravam os benefícios previstos ao longo do seu ciclo de vida, de forma otimizada em relação aos recursos consumidos.

Os estudos científicos e a experiência de aplicação prática dos conceitos e técnicas da gestão de ativos, em particular no domínio das ativos físicos, serviram de base para promover algumas atividades de normalização significativas no domínio dos ativos de infraestruturas [1] e dos ativos físicos em geral [2], atividades essas que exerceram uma grande influência nas primeiras versões das normas internacionais da série ISO 55000 publicadas pela primeira vez em 2014 [3-5] (ver Figura 1).

Desenvolvimento histórico do conceito e da atividade de normalização na área da gestão de ativos
Figura 1. Desenvolvimento histórico do conceito e da atividade de normalização na área da gestão de ativos [6].

A abordagem transdisciplinar da gestão de ativos, tal como a conhecemos hoje e na sua dimensão mais abrangente que envolve todas as funções ou departamentos nas organizações, mas sem se restringir aos limites específicos dessas funções, começou a ganhar forma sobretudo nas últimas duas ou três décadas atrás. Esta abordagem tem primeiramente em vista o valor que é realizado a partir dos ativos e posteriormente o alinhamento das várias atividades que incidem sobre os ativos em coordenação com aquela visão global.

Este artigo pretende apresentar o importante contributo das atividades de normalização na clarificação, consolidação e desenvolvimento do corpo de conhecimento integral da gestão de ativos e na sua implementação prática em organizações de vários tipos e dimensões.

Normalização e gestão de ativos

Família de Normas ISO 55000 sobre gestão de ativos

Em 2014, com a publicação da primeira versão da família de normas internacionais da série ISO 55000 [3-5], atingiu-se um elevado grau de consenso internacional sobre o conceito da gestão de ativos e de como este deve ser implementado nas organizações. Estas normas internacionais fornecem uma visão da abordagem da gestão de ativos, dos seus princípios e terminologia e sobre os benefícios que decorrem da sua adoção nas organizações. Estas normas estabelecem que um ativo é “algo que tem valor potencial ou real para uma organização” e que a gestão de ativos é a “atividade coordenada de uma organização
para produzir valor a partir dos seus ativos”.

A Norma ISO 55001 estabelece os requisitos para um sistema de gestão para a gestão de ativos e pode ser utilizada para efeitos de certificação. O sistema de gestão da ISO 55001 proporciona um enquadramento para o estabelecimento de políticas e processos de gestão de ativos que permitem à organização ir ao encontro dos seus objetivos estratégicos. A ISO 55001 utiliza um processo estruturado, eficaz e eficiente que promove a melhoria contínua e a criação continuada de valor através da gestão do custo, do desempenho e do risco associado aos ativos e ao longo de todo o seu ciclo de vida.

As Normas ISO 55000 e 55002 complementam a Norma ISO 55001 ao proporcionarem a visão, os princípios e a terminologia (ISO 55000) e as linhas de orientação para a sua aplicação (ISO 55002).

Nuno Almeida (*), Daniel Gaspar, José Sobral, Helena Alegre, Rita Brito, Mário Ribeiro, Lígia Bandeira Ramos, Hugo Patrício, Ana Luísa Cabrita, Paulo Barreto, Eduardo Ganilho, Cátia Neves, Pedro Ramalho, Marta Duarte, Diana Reguenga, Pedro Aguiar Costa, João Clara
Comissão Técnica CT 204 – Gestão de Ativos (ONS/APMI)
(*) Autor correspondente: nunomarquesalmeida@tecnico.ulisboa.pt

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº149. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »