Revista Manutenção

Um guia rápido para opções de rolamentos seguros para alimentos para equipamentos de processamento de alimentos

Um guia rápido para opções de rolamentos seguros para alimentos para equipamentos de processamento de alimentos

As condições operacionais em fábricas de processamento de alimentos e bebidas representam desafios difíceis para os mancais de rolamentos (também conhecidas como “rolamentos montados”). Em geral, a umidade e a utilização de produtos químicos agressivos de limpeza e desinfeção criam um ambiente muito corrosivo para as peças metálicas.

Além disso, os jatos de alta pressão podem sobrecarregar as vedações do rolamento, criando uma oportunidade para que a contaminação penetre no rolamento ou fazendo com que o lubrificante seja lavado ou diluído. Nessas condições, a maioria das unidades de rolamento têm uma vida útil relativamente curta.

Como muitos operadores de fábrica sabem, a falha do rolamento pode levar a um tempo de inatividade não planejado do equipamento e ao risco de contaminação de alimentos: uma unidade de rolamento com defeito pode libertar lubrificante no ambiente alimentar. Em casos mais extremos, podem ser liberadas peças de plástico ou metálicas (por exemplo do transportador de vedação, caixa do rolamento ou elementos do rolamento) e contaminar os alimentos. Obviamente que uma manutenção preventiva adequada pode aumentar o tempo até à falha ocorrer. Normalmente, esse tipo de manutenção envolve a relubrificação dos rolamentos periodicamente. A relubrificação reabastece o lubrificante que foi removido e, até certo ponto, elimina a contaminação. No entanto, relubrificar um rolamento é muito caro em termos de mão de obra e lubrificante, e cria a potencial fuga de lubrificante subsequente, pois o excesso de lubrificante será removido quando o rolamento girar. Do ponto de vista da segurança, os mancais de rolamentos precisam de ser limpos de forma eficaz para remover resíduos de alimentos. Com frequência, porém, o processo de limpeza não atinge fendas superficiais ou áreas de mais difícil acesso onde as bactérias se podem hospedar e desenvolver-se, criando um grande risco de surto de origem alimentar. Em algumas fábricas, entretanto, é comum o uso de tampas de extremidade de caixa, principalmente para a segurança do operador, mas também para proteger os rolamentos da lavagem. Mas as tampas de extremidade não podem impedir que todo o lubrificante seja libertado no meio ambiente e podem armazenar resíduos de lubrificante e umidade (onde podem se desenvolver bactérias), mesmo quando equipadas com um orifício de drenagem.

Para ajudar os operadores de fábricas e construtores de equipamentos a entender melhor as opções de segurança alimentar disponíveis, a Timken oferece uma visão rápida dos diferentes tipos de unidades de rolamentos para todos os estágios de produção de alimentos, com conselhos sobre o que procurar ao especificar uma solução mais forte.

Sébastien Lukat
Global Application Engineering Lead – Food and Beverage
Timken Europe, Colmar, France

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da “Manutenção” nº148. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »