IEC 61703

Norma IEC 61703 (1.ª parte)

Com base na norma internacional IEC 61703, apresenta-se neste trabalho um conjunto de expressões normalizadas…

Com base na norma internacional IEC 61703, apresenta-se neste trabalho um conjunto de expressões normalizadas de fiabilidade, disponibilidade e manutibilidade, utilizadas na avaliação do desempenho da função manutenção.

Introdução

Nas referências [1,2] expõe-se um estudo detalhado dos indicadores de manutenção – manutibilidade e disponibilidade –, propondo-se a generalização destes conceitos e respectivas expressões de cálculo. Por sua vez, na Nota Técnica [3] esclarecem-se os nossos leitores no que respeita aos estados e tempos de manutenção de um bem (ou item). Na sequência de [1,2,3], e com o objectivo de se complementarem estes trabalhos, apresentam-se agora as expressões matemáticas da fiabilidade, disponibilidade e manutibilidade, com base nas Normas IEC 60050 [4,5] e IEC 61703 [6], nas seguintes condições [1,2,3,4,5,6]:

  • Aplicam-se a bens não reparáveis (ou não reparados), bens reparáveis (ou reparados) com tempo de avaria nulo, e bens reparáveis (ou reparados) com tempo de avaria não nulo. Note-se que um bem não reparável é um bem que, ao sofrer a primeira falha, cessa as suas funções para sempre, entrando em estado de indisponibilidade permanente, tendo assim que ser substituído. Por outro lado, um bem não reparado é um bem reparável que, ao sofrer uma falha de funcionamento, não é imediatamente reparado. Estas definições encontram-se na Norma IEC 60050 [4], Referências 191-01-02 (repaired item, entité réparée, item reparado) e 191-01-03 (non-repaired item, entité non répairée, item não reparado).
  • Saliente-se que a Norma 60050 (191) foi entretanto revista e estruturada, tendo a nova versão sido publicada em 26 de Fevereiro de 2015 [5]. As secções 191 passaram a 192, verificando-se não só algumas alterações das definições anteriores mas também a eliminação de outras. Por exemplo, as definições de item reparado e de item não reparado foram descontinuadas e, inclusivamente, desaconselhadas, figurando apenas na nova versão as definições de item reparável (192-01-11, repairable item, entité réparable), e de item não reparável (192-01-12, non-repairable item, entité non réparable) [5].
  • Todos os estados de disponibilidade correspondem a estados de bom funcionamento contínuo do bem.
  • Todas as transições de um estado de disponibilidade para um estado de indisponibilidade são consideradas como falhas do bem.
  • Todas as transições de um estado de indisponibilidade para um estado de disponibilidade são consideradas como recuperações do bem.
  • Todos os estados de indisponibilidade correspondem a avarias do bem e, por consequência, os tempos de indisponibilidade coincidem com os tempos de avaria respectivos.
  • Após cada recuperação, o bem é considerado como se fosse novo.
  • As grandezas temporais intervenientes (tempos de funcionamento, tempos de manutenção, e tempos de manutibilidade) obedecem a uma lei contínua de probabilidades do tipo exponencial negativa. Considera-se esta distribuição na medida em que é das mais utilizadas e usuais para se descrever os indicadores de manutenção.
  • As distribuições exponenciais negativas têm como parâmetros constantes respectivamente λ (taxa de falhas do bem) e µR (taxa de recuperações do bem).
  • Não se consideram quaisquer actividades de manutenção preventiva ou outras acções programadas, que sejam susceptíveis de originar a inaptidão do bem para cumprir as funções requeridas.
  • Não se consideram os estados de avaria latente do bem.
  • No instante t = 0 o bem encontra-se em estado de funcionamento, sendo considerado como se fosse novo.

Para todas as expressões apresentadas, as numerações (0), (1) e (2) referem-se, respectivamente, a bens não reparáveis, bens reparáveis com tempo de avaria nulo, e bens reparáveis com tempo de avaria não nulo. Note-se que, para (2), têm-se as expressões generalizadas, sendo por sua vez as expressões relativas aos restantes bens, isto é (0) e (1), obtidas por particularização dessas expressões generalizadas. Para melhor compreensão, sugere-se então que se parta destas expressões, demonstradas em [6], para as respectivas particularizações, com especial atenção para as estimativas dos diversos tempos de manutenção e respectivas definições, que se encontram expostas na Tabela 2.

C. Pereira Cabrita, Davide S. Fonseca
CISE – Electromechatronic Systems Research Centre
Universidade da Beira Interior

Para ler o artigo completo faça o download gratuito da revista “Manutenção” nº133/134. Verifique o seu email após o download. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

      Selecione as sua(s) área(s) de interesse

      Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

      De acordo com o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, ao registar-se, receberá regularmente informações nossas, seja sobre os nossos serviços e produtos, promoções, newsletters, revistas digitais dicas de como tirar maior partido das ferramentas que disponibilizamos e ainda se habilita a participar em eventos que vamos organizando ao longo do ano.

    Outros artigos relacionados

    Translate »