Revista Manutenção

Modelos Econométricos para Análise do Ciclo de Vida de Ativos Físicos - 2ª parte

Modelos Econométricos para Análise do Ciclo de Vida de Ativos Físicos – 2ª Parte

Modelos de substituição de ativos físicos

A substituição de um ativo físico/equipamento é um conceito amplo que abrange desde a seleção de ativos similares, porém novos, para substituir os existentes, até à avaliação de ativos que atuam de modos completamente distintos no desempenho da mesma função.

Importa fazer a caracterização de métodos de cálculo adequados para a determinação da altura apropriada à substituição dos ativos físicos. Para o efeito, é necessário ter em consideração diversas variáveis, tais como:

  • Custo de Aquisição (CA);
  • Valor de Cessão (VC);
  • Valores de Exploração (CE)
    • Custos de Manutenção (CM)
    • Custos de Operação (CO);
  • Taxa de inflação (θ);
  • Taxa de capitalização (i).

Os valores da maioria das variáveis precedentes são obtidos através do histórico, à exceção do valor de cessão. Neste caso, terá que se obter o valor de mercado para cada ativo físico em concreto, o que se poderá revelar difícil para muitos ativos físicos. Como alternativa, podem simular-se vários tipos de desvalorização, tais como, os seguintes [17]:

  • Método linear de depreciação – o decaimento do valor do equipamento é constante ao longo dos anos;
  • Método da soma dos dígitos – a desvalorização anual é não linear;
  • Método exponencial – a carga anual de depreciação é decrescente ao longo da vida do ativo.

Hugo Raposo
hugo.raposo@isec.pt; CEMMPRE, ISEC

José Torres Farinha
tfarinha@isec.pt; CEMMPRE, ISEC

Edmundo Pais

edmundo.pais@ubi.pt; EIGeS, CISE

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “Manutenção” nº156/157. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

Outros artigos relacionados

Translate »